A estória das prisões é narrada sob o escopo do género, numa díade masculino-feminino, onde não há lugar à diversidade e não se aventa possibilidades de realização plena da personalidade da pessoa humana. Isto leva-nos a uma questão: será a prisão democrática?